Gestão financeira: primeiros passos para não errar nesta jornada!

A falta ou a ineficiência na gestão financeira tem levado muitos empresários a perderem dinheiro com as suas empresas.  Estudos, de entidades como o  Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), identificam várias causas referente a morte prematura dos negócios e as principais são: Falta de planejamento prévio; Problemas na gestão e Comportamento não adequado do empreendedor. 

Nesse sentido, cabe destacar que a falta de conhecimento sobre a gestão financeira, suas técnicas e ferramentas têm grande impacto para a morte das empresas, nos seus primeiros anos de vida.  Por isso, preparamos este material, com cinco passos iniciais e essenciais para a gestão financeira. Eu sou Rosane Machado, mestre em Finanças e vou ajudar você a dominar as finanças da sua empresa.

PASSO Nº 1: Defina uma política clara para definição do pró-labore e das retiradas pelos sócios 

Não importa se você está pensando em abrir uma empresa, ou se já é empresário há mais tempo. Definir um valor fixo para o pró-labore e datas certas para  retiradas irão facilitar a organização do caixa da sua empresa e também no momento de elaborar o plano financeiro.

O pró-labore, o salário do sócio, deve ser compatível com um profissional do mercado, já as retiradas de lucros são o excedente de caixa, ou seja, você deve retirá-las após pagar todas as contas e ainda fazer as reservas necessárias (guardar para investir, para reformas, automatizações, entre outros investimentos).

E não se esqueça de separar o dinheiro pessoal das contas da empresa, o bolso da empresa não é o bolso do dono, sócio.  Esse é um cuidado indispensável para você começar uma empresa, sabemos que pode ser difícil definir um pró-labore e organizar o financeiro logo no início, mas o ideal é que você destine um valor para empresa começar, coloque isso numa conta pessoa jurídica, em separado da sua conta pessoa física. Tratando isso de uma forma separada. 

Na conta da pessoa jurídica, você deve fazer toda a movimentação empresarial. Evite usar o cartão de crédito pessoal para compras da empresa, ou fazer pagamentos na sua pessoa física de coisas que você irá utilizar na empresa, se você não mensurar em separado terá muitas dificuldades na hora de apurar a lucratividade do seu negócio, e se você não apurar o lucro e não tiver esse indicador, não irá saber se as coisas estão indo bem ou não, muito menos onde precisa melhorar. 

Infelizmente ainda existem empresas, com muitos anos de atuação que ainda possuem este tipo de problema, ou seja, não existe uma organização básica que é ferramenta indispensável para dominar as finanças. 

PASSO Nº 2: Registre e controle todas as movimentações de entradas e saídas de dinheiro dentro da sua empresa, com alguma ferramenta que você saiba usar.

Não importa se você irá registrar as movimentações financeiras da sua empresa em uma planilha do Excel ou em um software de gestão, utilize aquilo que você pode e sabe acompanhar. 

Muitas empresas gastam valores elevados em sistemas, investimentos realmente pesados, mas acabam não utilizando essa ferramenta na sua totalidade. Costumamos dizer que é como comprar uma Ferrari e dirigir um Fusca; Não faça isso! Você precisa ter sistemas que realmente possam ser abastecidos com informações de qualidade e para isso você precisa e deve saber utilizar o sistema da maneira correta. 

O mesmo vale para a planilha, está nada mais é que uma folha de papel em branco, que através das fórmulas vai construindo um controle, se você tiver a planilha, da planilha, da planilha ou não entender as fórmulas aplicadas ou mesmo todas os cruzamentos e ligações que a planilha tem, de nada adianta manter este controle, ele será ineficiente e não vai auxiliar na gestão da sua empresa. Lembre-se: aquilo que não é medido não pode ser gerenciado! 

PASSO Nº 3: Defina o capital de giro e preserve ele no fluxo de caixa da sua empresa.

Para mensurar o capital de giro ideal para sua empresa, estude o ciclo financeiro do seu negócio e qual o valor necessário manter em caixa, para que sua operação possa rodar tranquilamente. Assim você poderá “tocar” a operação com segurança, evitando passar por determinadas dificuldades e apertos financeiros. 

É muito difícil trabalhar na escassez, ou seja, naquele fio da navalha, com o dinheiro contado para pagar as contas. Uma vez que você definir o capital de giro ideal para a empresa, deverá mantê-lo no seu caixa, se não houver recurso suficiente para isso, você poderá captar este recurso com o banco, através de uma taxa que seja adequada para a sua empresa, e injetar esse capital para garantir o capital giro para continuidade da sua operação. Assim você terá mais tranquilidade para focar nas estratégias e não ficará tão preocupado com o fluxo do caixa.

PASSO Nº 4: Deixe de ser apenas um pagador de boletos! Trabalhe com projeções de entradas e saídas. 

O plano financeiro vai ajudar muito neste caso. Ele é fundamental, já que possibilita o estudo de cenários e assim prevê a escassez ou a sobra de recursos no fluxo de caixa, através desse planejamento futuro, de todas as entradas e as saídas mês a mês, que os gestores vão tomar decisões estratégicas muito mais assertivas.

Assim o financeiro não vai ficar lá, só pagando boleto, controlando o contas a pagar e contas a receber depois que as coisas já aconteceram, isso tudo porque haverão metas, objetivos e projeções financeiras.

Na verdade, com um planejamento bem definido e as projeções de caixa, o financeiro irá atuar de forma preventiva, e é com base nesse planejamento que você vai poder traçar estratégias que realmente vão organizar a vida financeira da sua empresa.

PASSO Nº 5: Gerencie, projete e audite o caixa de maneira permanente. 

Não basta você fazer um planejamento, projetar entrada e saída de dinheiro, se você não tiver a conferência permanente de tudo aquilo que realmente entrou e saiu. É através desse planejamento, comparando com a execução, que você vai encontrar os desvios, ou seja, identificar aquele gasto a mais e tudo aquilo que pode vir a prejudicar o seu fluxo de caixa. 

É trabalhando na correção desses desvios, mês a mês, planejamento a planejamento, que você vai conseguir agir de forma preventiva, fazendo com que lá no final as coisas realmente saiam como esperado.  E conferir os saldos dos extratos bancários e das contas financeiras,  auditar as movimentações é fundamental, porque não basta você controlar as entradas e saídas, se você não tiver a segurança de que os números realmente são precisos e corretos. Execute bem este passo, faça sempre a conferência dos saldos. 

E sabe por que eu escolhi falar para você desse tema, destes passos iniciais que vão fazer a diferença na gestão financeira da sua empresa? Porque eu atuo há 15 anos auxiliando os gestores e empresários a dominar suas finanças. E esses são alguns dos problemas que eles relatam e não sabem na prática como conduzir. Então, aproveite estes 5 passos, aplicando no dia a dia da sua empresa! Se você gostou deste conteúdo, deixe seu comentário, e siga me acompanhando!

Nós impulsionamos a sua evolução.

Fale conosco.