A DRE* como uma poderosa ferramenta de gestão para as pequenas e média empresas

*Demonstração do resultado do exercício.
** Autora Rosane Machado @rosane_machado_

A DRE é uma poderosa ferramenta gerencial para avaliar a lucratividade. É amplamente utilizada na gestão econômica de empresas de todos os portes e segmentos. Pode ter finalidade contábil, fiscal ou gerencial e ser estruturada em diferentes formatos e modelos.

Na gestão das pequenas e médias empresas agrega valor ao processo decisório, pois permite a avaliação do lucro/prejuízo por diferentes negócios. Seu uso possibilita aos gestores uma visão mais clara da margem de lucro líquida, não baseando-se exclusivamente na margem por produto, identificando assim “gargalos financeiros” específicos, o que permitem maior atenção ao que realmente impacta o resultado.

Sua elaboração por negócio, ou de maneira consolidada (soma de todos os negócios, CNPJ ou empresas), permite a comparação do lucro entre negócios, direcionando estratégias, gerando aprendizado e possibilitando a identificação de oportunidade de melhorias para todo grupo econômico.

Aconselha-se o uso da DRE GERENCIAL para construção de indicadores que consideram a variabilidade dos gastos, permitindo comparações. São exemplos de indicadores usuais:

1 – O ponto de equilíbrio financeiro: indica o nível de vendas ideal para a partir dele se alcançar o lucro;

2 – EBITDA: muito utilizado para definição do valor de mercado da empresa (valuation);

3 – Margem de segurança operacional: representa a sobra de vendas até que comece o prejuízo;

4 – Margem de contribuição: representa a sobra para pagar a estrutura fixa, depois de deduzidos custos e despesas variáveis.

Além destes, inúmeros outros indicadores podem ser extraídos da DRE, para as mais diversas análises e comparativos, dependendo necessidade de cada empresa.

Em suma, a DRE é um resumo da REAL situação econômica da empresa em determinado intervalo de tempo. Podendo ser elaborada com dados históricos passado, ou com projeções para o futuro. As projeções e previsões de cenários de DRE fazem parte do plano orçamentário e da construção de metas, indispensável para organização das atividades de gerentes, gestores e demais envolvidos com a gestão os negócios.

Muitos gestores concentram seu gerenciamento na margem por produto e não tem por hábito a análise da margem líquida, muito menos da DRE projetada, alinhada a metas, indicadores e ao plano estratégico orçamentário. O que justifica o crescimento das dificuldades financeiras de muitos pequenos e médios negócios, que por desconhecimento, falta de estrutura ou baixo investimento, acabam não destinando o devido esforço a esta ferramenta tão importante para o sucesso empresarial.

Sobre a autora:
Rosane Machado é empreendedora, Professora de MBAs, Palestrante, Mentora e Consultora empresarial. Mestre em Controladoria e Finanças.  Contadora. Atua a mais de 20 anos com gestão em empresas familiares. Autora de livros e artigos na área de gestão e governança. Fundadora da Roma Business Consulting @roma_bc@romabusinesscollege. Possui atuação focada nas melhores técnicas e estratégias para profissionalização e governança de empresas familiares. Principais seguimentos de atuação: Varejo de combustível, área médica, indústrias metalmecânica e bares e restaurantes.

Nós impulsionamos a sua evolução.

Fale conosco.