7 Dicas para reduzir o custo com sua folha de pagamento. – Roma Business Consulting

7 Dicas para reduzir o custo com sua folha de pagamento.

7 Dicas para reduzir o custo com sua folha de pagamento.

Autora: Rosane Machado **

 

No atual ambiente dos negócios, no qual não há espaço para desperdícios, já que o lucro é resultado da otimização de custos e despesas. Gerenciar os recursos empregados na mão de obra (Colaboradores) torna-se um diferencial. Faça isso conhecendo as dicas que preparamos para você sobre como reduzir os custos com sua folha de pagamento.

 

Dica Nº1 :  Não permita a cultura da hora extra. Além do adicional de hora extra sobre o salário, que varia de 50% a 100% do valor hora do funcionário, a incidência sobre estas horas de encargos (FGTS, INSS e outros), existe ainda a inclusão destas horas como médias para cálculo de 13º, férias e aviso prévio. Se o mesmo funcionário possui volume de horas expressivo e frequente, talvez esteja na hora de contratar mais colaboradores;

 

Dica Nº 2:  Caso a atividade permita, implante a compensação de jornada através do banco de horas. A flexibilidade trazida pelo banco de horas, beneficia o empregado e o empregador, melhorando esta relação e proporcionando redução de pagamentos de horas adicionais. É comum algumas empresas desembolsarem valores altos em função de minutos excedentes a jornada que se acumulam e ao final do mês somam valor expressivo;

 

Dica Nº3 :  Fique atento a convenção coletiva! A convenção coletiva, define regras que podem trazer benefícios a parte empregadora, desde que, seja interpretada corretamente. Acompanhando as negociações sindicais da categoria é possível a revisão de itens de desperdício, como por exemplo: benefícios que são fornecidos sem estarem aparados pela convenção mas, que não melhorar a relação empresa versus colaborador, tornando-se assim, um custo desnecessário;

 

Dica Nº4 :  Revise a política de concessão de benefícios periodicamente. Itens como: auxilio refeição, vale transporte, auxilio educação, Epis, possuem fornecedores e soluções alternativas, que dependendo do número de funcionários podem reduzir significativamente o desembolso. Avaliações como: ter refeitório próprio ou conceder vale refeição? Contratar transporte terceirizado ou conceder vale transporte? Mudar o fornecedor e EPI ou comprar o equipamento em lotes, podem trazer benefícios para empresa.

 

Dica Nº 5 :  Contrate uma empresa especializada na avaliação da segurança e do ambiente de trabalho e revise as funções que são ou não consideradas insalubres. O ambiente de trabalho se modifica conforme a dinâmica do negócios, funções que tinham determinado fator de insalubridade ou periculosidade podem ter esta incidência modificada dependendo da condição do ambiente ou processo produtivo;

 

Dica Nº 6 :  Controle o tempo de execução de cada atividade. Construa um diagrama do seu processo interno, avaliando a cadeia de valor interna será possível identificar atividades que não agregam valor, e elimina-las reduzindo assim o tempo de cada funcionário. A existência de vícios administrativos dentro das companhias, como exemplo: controle no sistema, em planilha e manuais da mesma informação, são exemplos clássicos deste tipo de desperdício de recurso;

 

Dica Nº7 : Gerencie todos os reembolsos de viagens como: alimentação, taxi, estacionamento, pedágios, hospedagem e quilometragem.  Estabeleça limites para valores a serem reembolsados por dia, trajeto ou quilometro rodado.

 

Sua empresa tem o menor custo com a folha de pagamento? Converse com um especialista da Roma e realize uma avaliação. Nesta será: revisada a base e dos cálculos das rubricas de proventos e descontos ; O Cruzamento dos dados da folha de pagamento com a convenção coletiva (sindicato); A Avaliação das escalas e horários de trabalho; a Avaliação do controle de ponto versus legislação vigente; a Avaliação do volume de horas extras, faltas, atestado e demais eventos de exceção de ponto; a análise dos Laudos de PPRA e PCMSO; da estrutura de cargos e salários; de alternativas com a aplicação da Reforma Trabalhista; dos encargos sobre a folha de pagamento; a análise da programação de férias e contratos de trabalho; a análise de débitos de FGTS, INSS e pendencias de declarações; a análise de Saldo credor de INSS e retenções, se houver; a análise de parcelamentos de FGTS e INSS, se houver; o Cálculo e análise do custo real por colaborador, principais cargos e setores; a Criação de um ranking de custo real por colaborador;  a Revisão dos cálculos e apuração dos encargos.

 

** Sobre autora:

É Consultora empresarial, Palestrante, Contadora e Mestre em Ciências Contábeis. Possui larga experiência na área de contabilidade gerencial, com ênfase em gestão estratégica de custos, gestão de riscos e controladoria. Atuou em empresas multinacionais, na área de controladoria. Atuou como professora de graduação presencial e EAD em Universidades como: Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS, Centro universitário FEEVALE, Faculdades Monteiro Lobato, entre outras. Foi Coordenadora do Curso de Ciências Contábeis e do Núcleo de Apoio Fiscal- NAF. Participou do grupo de pesquisa Gestão de Tecnologia da Informação (GTI); É autora de artigos científicos e livros na área de contabilidade gerencial e Internacional (IFRS). Atualmente é Diretora de Controladoria da Roma Contabilidade e consultoria, professora de pós-graduação MBAs na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS); UNILASALLE; FAPA e ULBRA, nas áreas de contabilidade gerencial, societária, internacional (IFRS) e Administração Financeira e Palestrante de cursos de curta duração (Extensão) em diferentes instituições, entre elas: ACI, ACIS, SULPETRO e ABRASEL.